Livro: Lacan, Stein et le narcissisme primaire

Autor: Renato Mezan

Professor titular da PUC/SP, membro do LIPSIC e do Depto. de Psicanálise do Instituto Sedes Sapientiae. Após Figurer l'inconscient - Sartre, Huston et Freud, Passions Secrètes e Ben alors, tout ça pour ça? Freud et Dora, este é seu terceiro livro publicado na França.


Síntese do Livro:

No ano letivo 1965-1966, Lacan oferecia o seminário XIII (O objeto da Psicanálise). Um de seus convidados era Conrad Stein, cujos trabalhos sobre o processo analítico haviam atraído a sua atenção. As idéias apresentadas por ele, contudo, encontraram forte crítica por parte dos ouvintes, e, na última aula do ano, foram objeto de uma diatribe do próprio Lacan, tão virulenta que a dita aula foi eliminada do registro oficial do Seminário.


Stein nunca se pronunciou sobre este fato. Após a morte dele (2010), sua segunda esposa, Danièle Brun, encontrou entre seus papéis uma pasta etiquetada "Dossier Lacan", e inteirou-se de todo o episódio. Por surpreendente que possa parecer, a transcrição da aula censurada encontrava-se disponível nada menos que no site da Associação Lacaniana Internacional, o que lhe permitiu reconstituir os fatos e narrá-los num livro intitulado Rester freudien avec Lacan (Permanecer freudiano com Lacan), publicado em 2016.


Para além da biografia dos dois adversários, porém, as questões então em debate - o processo analítico, a regressão, o narcisismo primário - são em si mesmas de grande interesse para os analistas de hoje. Neste livro, Renato Mezan sustenta que elas abrem uma janela preciosa sobre um momento-chave na história da Psicanálise: os meados da década de 1960, quando está em constituição o que virá a ser conhecido na nossa disciplina como o paradigma relacional/objetal.


Apoiando-se no livro de Danièle Brun e na transcrição integral do Seminário XIII por Michel Roussan, Mezan apresenta os argumentos então expostos, e, para compreender os motivos da reação exasperada de Lacan, estuda os fundamentos da posição deste quanto ao narcisismo, que remontam à sua tese de doutorado (1932). Em seguida, traça um panorama tanto da obra de Stein quanto da dívida intelectual que ele afirmava ter para com o mestre da rue de Lille, ao qual credita a inspiração para sua maneira de ler Freud.


Por fim, analisando textos de André Green e de Jean Laplanche, o autor mostra como o narcisismo primário faz parte dos problemas cujo estudo os levou a desenvolver seu próprio pensamento, e, por seu papel central nas organizações não-neuróticas, veio a se tornar tornar uma das bases da Psicanálise contemporânea.


Site da Editora: www.ithaque-editions.fr