Psicanálise e normatividade

Jô Gondar e Nelson Ernesto Coelho Júnior


O artigo discute a responsabilidade dos psicanalistas na produção e disseminação de normas de gênero e de normas subjetivas, definindo um bom funcionamento psíquico. Aponta o quanto prescrevemos, sem perceber, o modo como os sujeitos devem ser ou viver as suas vidas. Nomeia algumas normas que podem estar presentes no exercício da psicanálise e de suas correntes teóricas, normas pouco visíveis e, por isso mesmo, menos nomeadas.


Palavras-chave: normas de gênero; discursos normativos; subjetividade universal.


Link para o texto:

http://tempopsicanalitico.com.br/index.php/tempopsicanalitico/article/view/596